Médico Coloproctologista SP
Procto PrimeProcto PrimeProcto Prime
(11) 96489-7000
contato@proctoprime.com.br
São Paulo / SP e Barueri / SP

Cisto pilonidal atinge mais homens do que mulheres

  • Home
  • Blog
  • Cisto pilonidal atinge mais homens do que mulheres
cisto pilonidal

Você já ouviu falar sobre cisto pilonidal? Essa é uma condição médica que desperta bastante curiosidade, especialmente, pelo fato de afetar mais homens do que mulheres. 

Neste artigo, exploraremos com detalhes essa questão intrigante. Descubra agora os motivos que tornam o cisto pilonidal mais comum no público masculino. Continue a leitura.

O que é cisto pilonidal?

O cisto pilonidal trata-se de um tipo de saco fechado, envolto por uma membrana. Esse cisto – que, geralmente, possui cabelos e pus – se desenvolve na parte superior da prega que divide as nádegas, acima do ânus, no popular “cofrinho”. Porém, pode ocorrer em outras partes do corpo, como axila, umbigo e couro cabeludo – não sendo tão frequente nessas regiões. 

O cisto pilonidal e sua predominância em homens

Embora o cisto pilonidal possa ocorrer em ambos os sexos e em qualquer período da vida, essa condição clínica afeta, predominantemente, homens jovens, peludos e com idade de 15 a 25 anos. 

Essa predominância de ocorrência em homens levanta uma questão intrigante: por que o cisto pilonidal afeta mais frequentemente o público masculino em comparação ao público feminino?

Vamos agora explorar em detalhes fatores que contribuem para essa diferença significativa. Veja a seguir. 

Fatores anátomo-fisiológicos

Uma das razões que justificam a predominância do cisto pilonidal em homens está relacionada à anatomia e à fisiologia da região – a área onde o cisto pilonidal se forma é tipicamente mais pronunciada em homens do que em mulheres. Isso faz com que a presença de uma prega mais profunda possa criar um ambiente propício para o acúmulo de pelos e a oclusão folicular, considerados fatores de risco para o desenvolvimento do cisto pilonidal. 

Diferentes características do cabelo

Mais um fator que pode contribuir para a prevalência do cisto pilonidal em homens está relacionado às características dos cabelos na região. Em muitos casos, os homens têm pelos mais grossos e resistentes do que as mulheres, o que pode acabar provocando a penetração dos pelos na pele, desencadeando um processo inflamatório que, com o tempo, poderá levar à formação do cisto. 

Estilo de vida e fatores de risco

Além das diferenças anatômicas e nas características dos pelos, o estilo de vida e fatores de risco também podem contribuir para o aparecimento do cisto pilonidal. Atividades que envolvem longos períodos sentados, como dirigir por longas distâncias ou trabalhar em empregos que exigem que permaneça sentado, podem gerar uma pressão na região do cóccix e um atrito na pele. Isso poderá facilitar a penetração de pelos.

Leia também: Sangramento anal indica outras doenças além de hemorroida

Sintomas e complicações

Independentemente do gênero, os sintomas do cisto pilonidal podem ser desconfortáveis – incluindo dor, inchaço e vermelhidão na região afetada

Além disso, nos casos em que o cisto está infectado, pode ocorrer a formação de pus e a drenagem do material purulento pela pele. Apesar de fatores como febre não serem comuns, os pacientes costumam se queixar de um calor local e desconforto ao sentar.

É importante destacar que, se os cistos pilonidais forem negligenciados, eles podem se tornar crônicos, e assim tornando mais difícil o tratamento através de técnicas minimamente invasivas.

Tratamento do cisto pilonidal 

Uma vez que os antibióticos e outros medicamentos não costumam resolver o problema, o tratamento definitivo do cisto pilonidal tende a ser cirúrgico. No entanto, existem diferentes abordagens a serem adotadas, a depender do estágio da condição.

Em casos iniciais, a drenagem do conteúdo do cisto sob anestesia local pode ser suficiente. Nesses casos, o tempo médio de recuperação é de até 5 semanas. Por outro lado, em casos crônicos, uma cirurgia deve ser empregada para promover um tratamento definitivo.

Cirurgia convencional

O tratamento cirúrgico convencional para o cisto pilonidal consiste na resseção do cisto, deixando a ferida aberta. A recuperação exige curativos especiais diários e um tempo considerável de repouso, em média de 12-16 semanas, até a volta das atividades normais.

Cirurgia minimamente invasiva

Com o avanço da tecnologia, em alguns casos é possível realizar uma cirurgia minimamente invasiva, pelo método que chamamos de Tratamento Endoscópico do Cisto Pilonidal (EPSiT). Esse meio traz diversos benefícios, como recuperação mais rápida e menor risco de recidivas.  

Veja como é realizada a cirurgia com epsit em meu canal do Youtube, clicando aqui.

Outros métodos mais recentes e modernos são através do uso do Laser de Diodo e da técnica de LEPSiT – que resulta da associação da precisão diagnóstica e terapêutica do EPSiT com a eficiência no tratamento dos trajetos fistulosos do Laser de Diodo, proporcionando menor dor e/ou desconforto pós-operatório, menores feridas, recuperações e cicatrizações mais aceleradas e maior comodidade quanto aos cuidados com a ferida operatória, pois as feridas são muito pequenas.

Prevenção

As medidas preventivas do cisto pilonidal incluem diminuir o tempo sentado e evitar o uso de roupas apertadas na região. Porém, os aspectos mais importantes e eficazes são a depilação definitiva, por métodos menos traumáticos para a pele e mais efetivos, como a depilação a laser, e a manutenção do peso corporal, evitando o sobrepeso ou obesidade.

Conclusão

Como vimos ao longo do artigo, a predominância do cisto pilonidal em homens pode ser atribuída a uma combinação de fatores anatômicos, diferença nas características dos pelos e estilo de vida. No entanto, embora essa seja uma condição mais frequente em pessoas do sexo masculino, é importante destacar que as mulheres não estão imunes a ela. 

Independentemente do gênero, o cisto pilonidal é uma condição que requer atenção médica e, se necessário, tratamento adequado para aliviar o desconforto do paciente e prevenir complicações a longo prazo.

Então, se você estiver desconfiado que está sofrendo com o cisto pilonidal – ou conhece alguém que esteja – não hesite em buscar ajuda médica. O Dr. Alexandre Nishimura é um dos poucos coloproctologista do país que realiza a cirurgia para cisto pilonidal através dos métodos minimamente invasivos e mais modernos. 

Podemos te ajudar! Entre em contato ainda hoje para agendar a sua consulta.

Saiba mais sobre cisto pilonidal em nossa seção especial, clicando aqui.

Compartilhar:

Pesquisar

Categorias

Posts Recentes

At vero eos et accusamus et iusto odio digni goikussimos ducimus qui to bonfo blanditiis praese. Ntium voluum deleniti atque.

Melbourne, Australia
(Sat - Thursday)
(10am - 05 pm)